Transparência e Feedbacks

Tempos atrás, trabalhando em uma multinacional, fui chamado à uma reunião às pressas. Lá estavam o meu gerente, o gerente de parcerias e o rapaz, amigo meu, que foi apresentar um novo projeto que nos ajudaria a aproximar dos nossos clientes: manter um servidor de newsgroups dentro de nossas instalações, independente de nosso servidor mundial.

A ideia em si era muito boa — afinal, teríamos a oportunidade de discutir com nosso público local e obter informações que de outra forma, ficariam perdidas no meio de tantas outras de pessoas no mundo inteiro.

Depois das parabenizações, dos comentários entusiasmados, das possibilidades e oportunidades, pedi um pouco de atenção para alguns detalhes (na época, era, entre outras coisas, responsável por nossa rede interna, o que incluía o link com a internet): nossa conexão com a internet não era boa, e isso poderia aumentar o problema; teríamos que solicitar autorização para a matriz para podermos alterar as configurações dos roteadores… antes que eu pudesse dizer qualquer outra coisa, meu gerente me interrompeu e disse: dá para parar de ser tão negativo?

Por muito tempo evitei dar qualquer opinião sobre qualquer coisa. Era assim que as pessoas me viam, negativo? Eu errei em chamar a atenção para algumas coisas que poderiam impactar no resultado? Infelizmente, sou franco e transparente, mas pelo visto, estava fazendo um de-serviço.

Hoje, muitos livros, palestras e tempo depois, consigo me sentir um pouco mais aliviado. Afinal, Jeffrey Liker no livro “O Modelo Toyota” comenta que é função de qualquer um, quando apresentado a uma nova ideia, atentar aos pontos que precisam ser trabalhados para que a pessoa consiga refina-la antes de apresenta-la aos superiores.

E Jurgen Appelo, em seu excelente livro “Management 3.0”, fala sobre feedbacks positivos e negativos: ciclos de feedbacks positivos causam desequilíbrio, acelerando o sistema para longe do equilíbrio. Ciclos negativos de feedback causam estabilização, mantendo o sistema longe do caos.

Mas e você? Acha que fui negativo e estou achando justificativas? Qual a sua opinião?

emiyasaki

2 Comments

  1. Não acho que você foi negativo, acredito que você viu um ponto de atenção que deveria ser tratado e o deixou visível para que uma ação pudesse ser tomada.
    O que vejo, principalmente, em grandes empresas é que gestores (entenda isso como vários níveis) não querem ver problemas e também não querem esses problemas apontados em seus indicadores. Isso pelo simples motivo de não utilizarem indicadores da forma como deveriam ser utilizados.
    Tudo deve parecer que está sempre bonito.
    Somente uma mudança de atitude e postura poderá mudar essa realidade…

    • Obrigado pelo comentário, Leandro.
      Concordo com sua colocação – infelizmente a maioria das pessoas ainda entende opiniões contrárias como “críticas” e que devem ser evitadas. E assim, mudanças de atitude e cultura continuam ficando só nas palavras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *