Maior Escalabilidade de Agile com o SAFe 4.0

Hoje foi liberado pela Scaled Agile Academy a versão 4.0 do SAFe (Scaled Agile Framework).  O SAFe é um framework que vem evoluindo desde 2011 e nos últimos anos, tem se tornado uma importante referência para apoiar grandes organizações no processo de adoção de métodos ágeis em larga escala.
Essa versão 4.0, assim como suas antecessoras, é fruto da observação de como que as grandes organizações estavam endereçando algumas questões específicas do desafio de escalar métodos ágeis. De maneira geral, a versão 4.0 é baseada numa abordagem muito mais escalável do que as versões anteriores, como é de se esperar. Isso se deve ao fato de que tem sido muito frequente a adoção de SAFe em ambientes de larguíssima escala que rodam vários ARTs (Agile Release Train) de forma simultânea e integrada.  Por esse tipo de contexto, se fez necessário incorporar algumas importantes mudanças do framework.
SAFe40-BigPicture
(Clique para ver imagem em tamanho grande)
Dentre as várias mudanças, destaca-se aqui as  mais significativas:
  1. Adição do Value Stream Level –  Este novo nível enfatiza  o conceito de Value Stream, que já estava presente nas versões anteriores mas, que era pouco explorado/detalhado na BigPicture. Dessa forma, a versão expandida da BigPicture passa a contar com 4 níveis (Portfolio, Value Stream, Program e Team). Este novo nível se faz importante para organizações que estejam adotando Agile em cenários de alta escala (vários ARTs, adoções envolvendo milhares de pessoas, diferentes produtos, diferentes linhas de negócios etc). Vale reforçar que esse novo nível é opcional. Para muitos casos, a estrutura baseada em Portfolio, Program e Team será suficiente.
  2. Nesta nova versão existe a possibilidade de usar os sistemas Kanbans em todos os 4 níveis.  Nas versões anteriores, Kanban oficialmente constava apenas para apoiar a gestão de Portfólio. Mas na versão 4.0, é possível gerenciar o fluxo de trabalho usando Kanban nos 4 níveis (Portfolio, Value Stream, Program e Team).
  3. Spanning Palete – Alguns artefatos e papéis que já constavam nas versões anteriores, agora, (oficialmente) compõem um tipo de repositório de ferramentas opcionais, que podem ser usadas (ou não) em diferentes níveis e em diferentes formas.  Isso amplia as possibilidades de customização do framework.
  4. E por final, uma das mudanças que mais se destacou positivamente: o conceito de Community of Practices (Comunidade de Práticas) que agora foi incorporado oficialmente à BigPicture. Para quem não conhece esse conceito, vale a pena destacar que, trata-se de um grupo informal composto por representantes de diferentes times, que tem como principal objetivo, trocar figurinhas sobre problemas e soluções acerca de um assunto específico.
Tive a honra de acompanhar de perto o processo de discussão e validação da aplicabilidade das mudanças do framework. Por essa razão, vejo de uma forma extremamente positiva toda a forma como framework tem evoluindo buscando aumentar ainda mais a sua congruência com a realidade de grandes organizações.
Para entender mais sobre as mudanças, leia esse post que explica mais detalhes sobre melhorias desta nova versão.

Manoel Pimentel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *