12 Dicas para uma Sprint Retrospective Meeting efetiva (Parte I)

A Sprint Retrospective é a oportunidade para todo o Scrum Team (Product Owner, ScrumMaster, e Development Team) para se inspecionar e criar um plano de ação para as melhorias para a próxima Sprint.

1.      Excelente ScrumMaster = Excelente Retrospectiva

Tudo o que você precisa é de um excelente ScrumMaster

certified-scrum-masterExistem milhares de técnicas de retrospectiva publicadas em livros e em blogs que quando BEM aplicadas alcançam resultados maravilhosos. A questão principal é saber como e quando aplicar uma determinada técnica ou fluxo ao invés de outra.

Eu sou muito fã da técnica StarFish e recomendo para os ScrumMasters iniciantes e experientes a utilização desta técnica. Pois já tive momentos bons assim como já vi colegas tendo resultados empolgantes com essa técnica.

Mas confesso que nem sempre tenho sucesso ao aplicar essa técnica e que o sucesso veio com a pratica. Pois a questão principal não era saber apenas a técnica e sim saber como facilitar uma retrospectiva.

Alguns colegas dizem que musculatura de retrospectiva só se ganha com o tempo, a pratica e a vontade de melhorar a facilitação. E assim se tornaram melhores facilitadores e suas Sprint Retrospectives se tornaram cada vez melhores assim como os seus Scrum Teams.

E finalmente o Certified Scrum Trainer Alan Cyment vai alem ao dizer que tudo que o Scrum precisa é de um excelente ScrumMaster para começar a fazer Sprint Retrospectives. Por isso espero que as próximas dicas te ajudem a se tornar um excelente ScrumMaster.

2.      Faça a Sprint Retrospective em um momento auspicioso

Uma Sprint não precisa terminar as Sextas

Existe uma tendência de se iniciar Sprints as segundas e terminar as sextas, todavia isto pode não funcionar.

E qual o problema de se fazer a Sprint Retrospective as Sextas?

O seu Development Team pode estar cansado de uma semana intensa de trabalho e participar apenas fisicamente da reunião e terá problemas para manter a presença mental na reunião.

Dependendo do horário da Sprint Review e da Sprint Retrospective alguns times ficam compelidos a fazer trabalhos complexos como implantação e testes exploratórios em um dia em que o foco pode estar no final de semana. Isso se não for encontrado um bug e o resultado da Sprint não for como o esperado.

E dependendo do que é falado na Sprint Retrospective muitos finais de semanas podem ser estragados, ou ainda, algumas situações podem ficar piores…

E finalmente, Estudos mostram que a sexta-feira tem uma ligação forte com os conceitos de “Liberdade” e “Partir”. De certa forma, sexta-feira é o dia que tipicamente as pessoas estão mais focadas em no fim de semana do que em qualquer outro tema. Basta lembrar quantas vezes na sexta-feira o assunto do seu Scrum Team é o final se semana.

Sprint Retrospectives na Sexta-Feira funciona em muitos Scrum Teams, todavia isso pode não ocorrer no seu ambiente de trabalho.

3.      O corpo fala

Escute as palavras e veja o real significado

o-corpo-falaInfelizmente ainda não é possível saber o que outra pessoa está pensando. Dessa forma entender as reais intenções de uma pessoa é algo que beira o impossível.

Podemos ter um melhor entendimento das reais intenções das pessoas por meio das expressões corporais. Por exemplo:

Braços cruzados podem significar desde uma postura defensiva ou de insegurança até uma postura de hostilidade. Uma posição relaxada com braços e pernas ligeiramente abertas demonstra autoconfiança e segurança. Já uma postura recolhida significa tédio.

Movimentos de cabeça de um lado para o outro significam negação, já movimentos de cabeça para cima e para baixo consentimento. Uma postura erguida demonstra segurança, valor e importância no que você está fazendo. E mãos na cintura significam desafio, agressividade.

Alguns sinais corporais podem trazer impressões incorretas, todavia desconsiderar essas informações valiosas em uma facilitação pode levar a resultados desastrosos.

Em outras palavras, comece a ler o Best Seller “O Corpo Fala – A Linguagem Silenciosa da Comunicação Não-verbal” do Pierre Weil e do Roland Tompakow.

4.      Presença obrigatória do Product Owner

A participação do Product Owner é essencial na Sprint Retrospective

O Product Owner é obrigado a participar da Sprint Retrospective. E acredite isto está escrito no Scrum Guide. A primeira frase do Scrum Guide sobre a Sprint Retrospective é a seguinte:

“A Sprint Retrospective é uma oportunidade para que o Scrum Team inspecionar a si próprio e criar um plano de melhorias para ser aplicado na próxima Sprint.”

Tendo em vista que o Scrum Team é compreendido pelos três papeis do Scrum incluindo o próprio Product Owner. A presença do Product Owner é obrigatória, seu Scrum Team gostando ou não.

A questão principal é que existe a responsabilidade do ScrumMaster em garantir a segurança psicologia de todos os envolvidos durante a Sprint Retrospective.

Por exemplo, com frequência o Development Team não se sente à vontade em frente ao Product Owner, por questões que vão desde arrogância, hierarquia, desconfiança, dentre outras. Nestes casos Peter Hundermark recomenda que, temporariamente, o Product Owner não participe das Sprint Retrospectives e o ScrumMaster trabalhe em paralelo estas questões objetivando a segurança psicológica da reunião.

Vale lembrar que o Scrum demanda muito trabalho do Product Owner e estes precisam ser capazes de colaborar com a melhoria continua dos processos dentro do Scrum. Como exemplo de processos em que o Product Owner é essencial tem-se a priorização e a preparação dos itens do Product Backlog e o relacionamento com os Stakeholders.

5.      Não buscar culpados

Diga não à caça às bruxas!

apontando-erradoUm dos maiores receios ao se entrar em uma Sprint Retrospective é o de que a reunião se torne uma sessão de caça às bruxas, onde a única coisa que importa é buscar culpados.

Claramente tal atitude não contribuirá para a evolução do time ou para um melhor desempenho coletivo. Com esse raciocínio Norman Keath define a primeira diretiva de uma boa Sprint Retrospective como:

“Independentemente do que descobrirmos, nós entendemos e realmente acreditamos que todos fizeram o melhor que podiam, dado o que eles sabiam no momento, as suas competências e capacidades, os recursos disponíveis, bem como a situação na mão. ”

Dessa forma a chave para uma Sprint Retrospective bem-sucedida e construtiva é garantir que todos os participantes estejam de acordo com essa diretiva. E assim teremos um tão sonhado evento de aprendizagem coletiva que irá dar bons resultados no longo prazo.

6.      Checar e Atuar

Sempre há algo a melhorar no processo

O mais importante de uma Sprint Retrospective é o comprometimento dos envolvidos com as melhorias do processo de desenvolvimento de software.

No Scrum temos diversos ciclos de PDCA (Plan-Do-Check-Act) sendo executados com diferentes objetivos. Na Sprint Retrospective é feito o Checagem do processo e a criação de um plano de ação para melhorias.

Jean Tabaka menciona que sair de uma Sprint Retrospective sem um plano de ação é uma das maiores falhas possíveis, mas de nada adianta criar um plano de ação e este não for foco de atuação durante a próxima iteração.

Existem estratégias como um backlog de melhorias, expor o plano de ação em local visível, e pedir para todos os envolvidos escrever o plano de ação auxiliam na implementação das melhorias. O ScrumMaster deve guiar a melhoria dos processos, todavia deve haver o comprometimento de todos os membros do Scrum Team com a melhoria continua de processos.

Jeff Sutherland finaliza neste vídeo com a seguinte definição de Sprint Retrospective:

“ A Sprint Retrospective é desenhada para corrigir o problema mais importante. E quando isso ocorre, o Development Team acelera e começa a ir mais rápido, assim como a qualidade também aumenta. Dessa forma a Sprint Retrospective é crítica para o aumento da performance do Development Team.”.

___________________________________________________________________________________________________________________

Gostou? Aqui você encontra as outras 6 dias para tornar a sua Sprint Retrospective ainda mais eficiente.

Não esqueça de deixar seu comentário 😉

Facebook  |  Twitter  |  Linkedin | Youtube

Anderson Diniz Hummel

Professor na Universidade Presbiteriana Mackenzie dos cursos da FCI das disciplinas que envolvem Java nos mais diversos sabores e na Faculdade Impacta Tecnologia de Arquitetura de Software do curso de Pós Graduação em Engenharia de Software.

2 Comments

  1. Eu realmente não consigo concordar na “obrigatoriedade do P.O” na cerimônia da retrospectiva. Mesmo achando que ela seja eficiente para melhoria do time, processo e do produto, acredito que essa visão deva ser do time e que esta, não será necessariamente transparente ao product owner. Principalmente se este estiver do lado do cliente. Acredito que o nível de maturidade e de confiança entre ambos, estão intimamente ligados na avaliação da participação (ou não) do P.O. Até porque o P.O já deu seu feedback, sob a ótica do produto, na cerimonia do Review. Os artefatos de saida dela, poderão sim, entrar como insumo de discussão na retrospectiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *