Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Atualmente temos sido confrontados – e continuaremos a ser – por um contexto cada vez mais volátil, incerto, complexo e ambíguo. Um mundo sujeito a rotina das mudanças frequentes, aceleradas e surpreendentes rumo à destinos ainda desconhecidos. E é nesse cenário que a figura do Agile Coach se torna um diferencial.

A dinâmica de descontinuidade desperta em nós sentimentos ambivalentes. Tenderemos de um lado a lidar com desejos de resistência às mudanças e permanência num estado conhecido. E, de outro, desejos de fazer parte de algo novo, num movimento de contínuo de aprendizado, criatividade e inovação.

Dado a tal complexidade, o Ágil torna-se alternativa para lidar com as imprevisibilidades que determinam as Organizações.

Neste ambiente só é possível termos a compreensão clara sobre algo em retrospecto, no entanto, no incentivo à experimentação, em que o erro é acolhido como oportunidade de aprendizado, pode-se favorecer o surgimento de novos padrões.

Neste contexto o papel do Agile Coach se faz necessário, sendo ele o “Primeiro Agilista”.

Sua figura exige a incorporação dos valores e princípios Ágeis de forma a não colidir com valores e princípios pessoais, que tendem a se manifestar de maneira coerente por meio de seus comportamentos, conhecimentos e uso dos frameworks e práticas Ágeis.

Para tanto, é importante que o profissional tenha clareza que é um processo de coaching de times, o que não significa o coaching individual para um agrupamento de indivíduos.

Seu principal objeto de trabalho serão os fenômenos que emergem das relações interpessoais, exigindo-lhe habilidades para lidar com questões sobre motivação individual e do time.

Além disso, empoderamento e auto-organização, relacionamentos interpessoais, processos grupais e intergrupais, dinâmicas de conflitos, cultura corporativa, estrutura organizacional, mudanças e desenvolvimento.

Diante de tal desafio não cabe ao Agile Coach impor um “Saber” como absoluto, mas, a partir da crença de que o “Saber” é algo de todos e não privilégio de alguns poucos, favorecer o processo de desenvolvimento de seus coachees.

Esse processo os ajudarão a descobrir melhores formas de trabalho, segundo os Valores e Princípios Agile-Lean, libertando potenciais coletivos de convivência, aprendizagem, pensamento e reflexão, criatividade e inovação.

Como um Líder Servidor, colocará seu conhecimento e suas experiências como facilitador, coach profissional, mentor e treinador a serviço do time. Portanto, a exigência da Inteligência Emocional para perceber qual melhor momento adotar cada uma destas competências.

Não se pode correr o risco negligenciar sua prática em razão de uma dificuldade pessoal, considerando sempre que seu foco deve estar no favorecimento da autonomia do time e aceleração da adoção de novos comportamentos.

Torna-se também fundamental ao Agile Coach favorecer a construção de um ambiente seguro e de confiança, fortalecendo uma cultura orientada ao trabalho em time.

                                                                                        Inspirado no Extract – Agile Coach de Rachel and Liz – 2009

 

O investimento em habilidades como suporte, comunicação, feedback, facilitação e, especialmente, desenvolvimento de si próprio são relevantes em sua jornada.

Por ser um grande desafio, é necessário que o Agile Coach invista fortemente em seu processo de desenvolvimento pessoal e profissional.

Certamente planos de trabalho inovadores oferecem uma estrutura e plataforma para o trabalho em time, como por exemplo o conhecimento e uso de frameworks e práticas ágeis, porém isso não é suficiente.

Passa a ser importante, e também um diferencial, o conhecimento e investimento contínuo sobre como lidar com as relações interpessoais de forma a favorecer o trabalho em time.

Com isso, se compreende que abaixo da superfície da racionalidade humana residem forças psicológicas sutis capazes de sabotar a maneira como os times operam.

E, para finalizar, é sempre bom lembrar:

“Um Agile Coach não pode forçar as pessoas mudarem, mas pode apresentar um modo diferente de ser e com isso, ajudar seus clientes a fazerem parte de uma nova forma de trabalho que favoreça a realização pessoal e profissional dos membros do time, enquanto time”.

This Post Has One Comment

Leave a Reply

Close Menu