Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Quando falamos de Management 3.0, normalmente, o que mais temos contato são as ferramentas e o mindset que eu, inclusive, acho simplesmente sensacionais. Mas hoje resolvi trazer um outro aspecto pouco explorado que são as falácias propostas pelo Jurgen Appelo. Acredito que este tema contribui para abrirmos ainda mais as nossas mentes. E fique ligado que no final deste post eu propor um desafio para você.

falacias

Bom, deixando o spoiler de lado, eu acho interessante buscarmos a definição do que é “falácia”, já que esta palavra não é tão usada no nosso dia-a-dia. Segundo a Wikipédia falácia é “um raciocínio errado com aparência de verdadeiro.” Já o dicionário Aurélio pega um pouco mais pesado e diz que é a “ação de enganar com má intenção“.

Tomando como base o fato que eu já cai nas falácias do Jugen Appelo e que não foi de maneira proposital ou com alguma má intenção eu vou optar pela primeira definição, da Wikipédia.

Acredito que o objetivo do Jurgen era trazer, para nós gestores, uma reflexão a respeito dos nossos comportamentos. Diariamente caímos em algumas armadilhas que normalmente estão ligadas a vícios e costumes que praticamos muito tempo em um contexto anterior ao da agilidade e desse mundo VUCA em que estamos inseridos.

Agora chega de papo e vamos apresentar estas falácias:

  1. A falácia da metáfora das máquinas.

Não trate a organização como se ela fosse uma máquina.

  1. A falácia do observador independente.

Você não está fora do sistema.

  1. A falácia do complicado-complexo.

Não confunda complicado com complexo.

  1. A falácia do comportamento linear.

Não assuma que as coisas tem comportamento linear.

  1. A falácia do reducionismo-holismo.

A soma das partes não é igual ao todo.

  1. A falácia dos desconhecido-desconhecido.

Você não pode cobrir todos os riscos.

  1. A falácia da auto-organização.

Não acredite que a auto-organização é boa. Ela não é boa e nem ruim. Ela simplesmente acontece.

Tenho certeza que ao ler estas falácias muitas histórias vieram a sua mente.

Agora sobe a música de suspense porque eu vou lançar o desafio.

Se você acompanha o nosso blog e eu quero crer que isso é uma verdade, você já deve ter lido o post em que eu conto a experiência de uma retrospectiva de um time em que eu usei os motivadores intrínsecos do Daniel Pink.

O desafio é você fazer a retrospectiva das 7 falácias. Reúna os gerentes, líderes, coordenadores e mais quem você quiser da sua organização e use como pano de fundo as falácias do Management 3.0:

Em quais falácias a nossa organização está caindo?

Quais foram as situações e por que isso ocorreu?

Quais são os comportamentos que nos levaram a isso?

Quais são os planos de ação para não cairmos mais nestas armadilhas?

Lembre-se que todo praticante do MG3.0 é um agente de mudanças. E se você é ou quer ser um, a história não será diferente.

Abraços e até a próxima!

Diego

 

Diego Bonilha Xavier

Diego Bonilha é Agile Trainer e Facilitador de Management 3.0. Já atuou como desenvolvedor, líder, gerente de projetos e scrum master e traz toda esta experiência para os treinamentos, palestras e consultorias.

Leave a Reply

Close Menu