Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Você já ouviu falar da técnica WSJF (Weighted Shortest Job First)? Você sabia que ela também pode ser usada para ajudar a quebrar suas features, além de priorizá-las? 

Talvez alguém da sua empresa já tenha ouvido ou até usado a WSJF, mas como a sua organização costuma decidir sobre quais iniciativas devem ser priorizadas? Quem tem “voz” mais alta decide? Ou é por feeling do Product Manager ou Product Owner?

Se você já se viu em alguma situação assim e já pensou se teria uma maneira mais lógica e mais objetiva de priorização, está na hora de saber mais sobre o WSJF.

O que é a técnica WSJF?

Diferente do que muitos pensam, o Weighted Shortest Job First (WSJF) não foi criada pela Scaled Agile. A técnica para auxiliar na priorização de features foi criada por Don Reinertsen e muito popularizada pelo Scaled Agile Framework® (SAFe®).

A técnica WSJF leva em consideração não apenas o custo do atraso (cost of delay, COD), mas também a duração do trabalho, em que pode ser usado como proxy o tamanho do trabalho.

Se não estiver familiarizado com o conceito de custo do atraso, pense da seguinte maneira: sempre que atrasamos a entrega de uma feature, pagamos por um custo relacionado a este atraso. Isso quer dizer que, maximizar o valor de uma feature significa minimizar o custo do atraso.

Por exemplo: Um fabricante na época de Natal paga pelo custo do atraso a cada dia que atrasa seus lançamentos, uma vez que a concorrência está conseguindo lançar antes e aproveitar a oportunidade.

Mas como decidir qual produto, qual feature e qual iniciativa priorizar?

No livro “Principles of Product Development Flow”, Don Reinersten apresenta vários princípios relacionados à priorização de iniciativas, com suas respectivas condições de aplicabilidade. Um destes princípios está relacionado a técnica WSJF.

Num caso bem simples, em um extremo, em que todas as features têm a mesma duração, deveríamos priorizar as features que possuem maior custo do atraso, o que minimizaria o custo total. Ou seja, a feature de maior valor/benefício seria priorizada.

Em outro extremo, se todas as features têm o mesmo custo do atraso, deveríamos priorizar as features que possam ser lançadas mais rapidamente, minimizando assim o custo do atraso e maximizando o valor para a organização.

Porém, no cenário atual caracterizado pelo mundo VUCA (Volatilidade/Volatility, Incerteza/Uncertainty, Complexidade/Complexity e Ambiguidade/Ambiguity), com tanta volatilidade e incerteza, tanto o custo do atraso quanto a duração/tamanho de uma feature podem variar muito de feature para feature.

Nesses casos a técnica WSJF contribui muito na priorização visando minimizar custos e maximizar valor para a organização. 

De maneira bem simples, a técnica WSJF de uma feature é calculada como a divisão do custo do atraso pela sua duração/tamanho. Mais detalhes das variáveis que compõem o custo do atraso podem ser consultadas em um excelente artigo sobre a técnica WSJF.

Porém, não devemos apenas calcular um número e segui-lo cegamente sem levar em conta outros aspectos importantes e conhecidos, como por exemplo, a dependência entre features.

Se sabermos de antemão que para a feature A ser entregue dependemos da feature B estar feita, mesmo que pela técnica WSJF o resultado da feature A seja maior do que o resultado da feature B, a sequência de entrega seria feature B e depois feature A.

A técnica WSJF como ferramenta de apoio ao princípio #6 do SAFe®

Um outro fenômeno importantíssimo que a técnica WSJF proporciona é o estímulo a quebra de features em features menores.

Em diversos casos, ao tentarmos aplicar a técnica WSJF pela primeira vez para um conjunto de features, um grande desconforto é gerado como um consenso de que se o conjunto de features fosse priorizado pelo feeling de geração de valor ou mesmo pelo ROI de cada feature o resultado seria bem diferente.

Mas durante o desconforto alguém diz: – E se quebrarmos a feature X (que por feeling achamos ser a mais prioritária, porém ficou com o menor WSJF) em duas ou mais features?

Isso acontece porque percebermos que o peso da duração/tamanho é o que geralmente mais interfere na técnica WSJF, pois ele é o denominador no cálculo do resultado.

Assim, podemos dizer que a técnica WSJF nos ajuda a pensar em quebra de features em features menores, o que além de mudar a ordem das features priorizadas, acaba por fortalecer o princípio #6 do SAFe®, pois ao reduzir o tamanho do lote de trabalho, melhoramos a fluidez e aumentamos a utilização, além da melhoria na previsibilidade.

A técnica WSJF é só um dos muitos insights que sempre emergem nas turmas do treinamento oficial da Scaled Agile, o Leading SAFe® 4.6 – Certificação SAFe® Agilist. Conheça mais nosso treinamento e descubra como o SAFe pode te ajudar em cenários de ágil em escala!

Referências:

 

Leave a Reply

Close Menu