A história da rede de franquias MCDonald’s é contada no filme Fome de poder, lançado em 2017 no Brasil. O passo a passo até chegar à rede de fast food mais famosa do mundo é repleto de observações e mudanças, sem deixar de lado o foco na qualidade do produto visando sobretudo a satisfação do cliente. Alguma semelhança com o Sistema Kanban?

Capa do filme – Fome de Poder

Logo no início do filme já é possível identificar práticas que podem ser relacionadas ao sistema kanban, abordagem de gestão aplicada a um processo de trabalho já existente na empresa baseada no “comece com o que você já faz hoje”.

Comece com o que você faz hoje

Quando os irmãos Richard e Maurice McDonald decidem montar sua própria rede de alimentação começam oferecendo o sistema drive-in, mas logo percebem uma série de gargalos, como o tempo de espera dos clientes, altos custos com mão de obra e materiais, como pratos e talheres.

A partir dessa observação, é que eles têm a ideia de oferecer produtos com tempo de espera de 30 segundos. Ao mesmo tempo se veem com o desafio de garantir a qualidade dos alimentos oferecidos e optam também por investir em materiais descartáveis na entrega, eliminando os gastos com as louças. Eles também diminuem consideravelmente o custo com mão de obra.

Esse passo a passo mostra que o negócio evoluiu com base em dados reais. Os irmãos conseguem observar o que está acontecendo, propor mudanças e eliminar o desperdício.

Em uma das cenas em que os empresários avaliam o tempo de cozimento da batata frita é possível associar com a mudança evolutiva proposta pelo Sistema Kanban. Eles estão preocupados em melhorar a eficiência, mas sempre focados no cliente. Existe a mudança no processo, mas o principal é avaliar o que aquele produto final está gerando de valor para o cliente.

Outra cena do filme em que é possível associar com o Sistema Kanban é quando os irmãos MCDonald’s levam os colaboradores para uma quadra e utilizam giz para desenhar no chão o fluxo de trabalho. O objetivo ali é garantir a eficiência, sem perder a qualidade.

Cena do filme – Fome de poder

No local, os empresários visualizam e trocam as funções dos colaboradores de lugar diversas vezes. Eles chegam a subir em uma escada para observar o processo de cima. Depois de várias mudanças conseguem chegar ao modelo que consideram ideal.

A simulação foi uma forma de observar o processo sem custos e com a participação de todos os envolvidos no fluxo de trabalho.

Após chegar a este modelo ideal, os empresários precisaram investir na reforma da cozinha e contar também com equipamentos personalizados para garantira aquele fluxo que conseguiram visualizar na quadra.

Ao longo da história, é possível perceber que os irmãos participam da execução dos processos e, à medida que enxergam gargalos pensam na solução, o que está relacionado aos métodos ágeis. Eles também estavam constantemente atentos às práticas de inovação do negócio.

A observação cuidadosa do que estava acontecendo e a mudança evolutiva garantiu, dia a dia, a obtenção de melhores resultados.

A consequência é que o conceito da lanchonete fundada em 1955 continua sendo eficiente até os dias atuais, garantindo ao MCDonald’s, que não tem mais os irmãos à frente do negócio, o posto de principal rede de fast food do mundo, presente em 119 países.

Mais informações sobre Kanban? Consulte a Kanban University.

Rodrigo Costa

Atuo diretamente na transição e experimentação ágil em diferentes organizações. Experiência profissional em TI em diversos segmentos, minhas principais certificações: SPC4 (SAFe Program Consultant), SAFe Agilist (SA), SSM e POPM pela Scaled Agile; ICP (Instructor Authorization) e Certified Agile Professional pela ICAgile.

Deixe um comentário